Séries

MasterChef: dá pra enganar bastante

As regras do MasterChef e o contexto de disputa por vezes podem ocultar a falta de talento dos participantes. É fato. Estamos quase na reta final do programa e ainda temos competidores que demonstram não ter grandes talentos que um programa de culinária exige. Fernando, o eliminado do último programa, 13 de junho, é um desses exemplos. Embora tivesse a simpatia de todos e até uma certa torcida do público, é notório que ele jamais teve destaque em qualquer uma das provas. Sua sobrevivência no MasterChef era um misto de sorte com coincidências e bom posicionamento nas provas de grupo. Até então, ele não tinha perdido nenhuma. Ou seja, nunca teve que demonstrar talento de forma individual nas eliminações. Em outros termos, foi enganando bem.

Mas tudo tem uma primeira vez. Em uma nova prova de grupos, os competidores foram divididos entre os vencedores das últimas provas e os demais. Depois de formados os grupos, os capitães Valter e Ana Luiza tiveram que trocar dois competidores. Valter foi cirúrgico, indicou Fernando e Anderlize. Ana Luiza, por óbvio, liberou Mirian (agora mais na dela e sem tretar com os colegas) e Victor Bourdignon (sempre na berlinda). Basicamente, Fernando foi retirado do time vencedor por antecedência (por sorte já estava quase garantindo sua continuidade mais uma vez). Não deu outra. O grupo do catarinense Valter levou a melhor sobre a mineira Ana Luiza. A prova era difícil: montar um cardápio com Foie Gras e Vieiras, com sobremesas envolvendo uma marca famosa de chocolates. O almoço era beneficente e deu sobrevida a ONG Casa do Zezinho.

Os competidores que foram para a prova de eliminação com Fernando foram Vitor V., Ana Luiza, Anderlize, Michele e Yuko (que nunca ganhou uma prova em grupo). Façamos justiça, Mirian e Vitor Bourdignon também estão fazendo hora extra no programa. Mas dessa vez eles estavam de boas no mezanino. A prova final foi orientada pelo chef Jacquin: sopa com massa folheada. O troço deu um nó na cabeça dos competidores. Melhor para Aderlize, que venceu a prova (mesmo com sua sopa não tendo uma aparência muito legal). Segundo Jacquin, a refeição ficou melhor que a que ele tinha feito. A gaúcha não escondeu a alegria. Já Fernando, ah, … Fernando foi longe demais, nem pode reclamar. Apesar de não ser um grande cozinheiro, demonstrou ser um bom amigo e colega. Praticamente todos demonstraram apego pelo eliminado.

“Vai fazer falta aqui”, citou a chef Paola, com a concordância de Fogaça. E nós, do outro lado da telinha, também vamos, mas não pelo talento culinário, mas os sempre engraçados depoimentos dele. A aparente falta de capricho e acabamento nos pratos, sem falar no sabor, sempre eram compensadas com esforço e uma certa ingenuidade. Fernando era o clássico exemplo do “sou brasileiro e não desisto nunca”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *