Game Of Thrones: reencontros, batalhas e dúvidas

Cuidado, texto com Spoilers!

E o quarto episódio da sétima temporada de Game Of Thrones veio com tudo. Sem muito tempo para grandes enredos e enrolações, o destino dos personagens começa a ganhar contornos cada vez mais expressivos. E desta vez tivemos de tudo um pouco: reencontros emocionantes, diálogos tensos, descobertas, uma grande batalha com direito a muita emoção, e um final que nos coloca um ponto de interrogação.

Primeiro as boas notícias: Arya chega a Winterfell e reencontra a irmã Sansa. Apesar de notarmos saudades nas duas, as “Ladies” Stark protagonizaram algumas cenas tensas. Aliás, a tensão esteve presente em quase todos os núcleos nesse episódio. Primeiro, elas mesmas percebem que não são mais as mesmas. Pouco depois, agora com o irmão Bran, o novo Corvo de Três Olhos, essas questões ficam ainda mais evidentes. Nenhum deles é mais o que um dia já foram. Cada um passou por muitas provações e conflitos. Envelheceram e sobreviveram com sorte, competência e um amadurecimento muito cruel. Bran dispensa a presença da amiga Meera, mas esconde seus sentimentos para que ela possa realmente sair de Winterfell. De quebra, Arya reencontra Brienne e exibe seus dons de luta, tudo na presença de Mindinho, que está só absorvendo as novidades. Sabe-se lá o que ele está fazendo com tantas e importantes informações.

Depois temos a continuidade das negociações de Jon com Daenerys, que não consegue mais administrar suas derrotas recém ocorridas. Ela demonstra uma mudança incrível de comportamento, lembrando o seu pai, o Rei Louco. Jon encontra o que veio buscar, Vidro de Dragão, e ao que tudo indica, se negou a ajoelhar-se perante a nascida da Tormenta. Theon Greyjoy retorna para o castelo da mãe dos dragões e dá de cara com Jon, que não fica lá tão satisfeito em revê-lo. Tyrion tem seu planejamento questionado e Daenerys decide perguntar a opinião de Jon sobre ir para o ataque ou não. Como sempre, os Starks são sempre os mais lúcidos. Mas seu conselho não é ouvido. Destaque ainda para a cena cômica de Jon com Sir Davos: “Ela tem um grande coração”, disse Jon. “Eu vi como olhava para seu coração”, retrucou Davos, referindo-se à Daenerys.

Mas como já sabemos, a tensão foi a tônica do episódio. E Daenerys ignora o conselho dos que a rodeiam e parte para o ataque com o que tem de melhor: o povo Dothraki e seu maior dragão, Drogon. Ela cerca o exército Lannister que saia dos Jardins de Cima com comida e ouro. E lá estão Jaime e Bronn, que encaram de frente o exército que vem até eles. Aí sim, é tudo que se esperava ver. Guerra com direito a fogo de dragão, muito fogo. E os Dothraki fazendo o que mais gostam, cortando tudo, até mesmo patas de cavalos. O que a rainha descontrolada não esperava lá do alto de seu dragão era que Jaime e Bronn estavam portando o arpão com lanças usadas para caçar o monstro que cospe fogo. Isso mesmo.

Mesmo quase dizimando o exército Lannister, Daenerys é surpreendida e vê seu maior filho ser alvejado quase no peito. Mesmo ainda instável, Drogon consegue acabar com a arma de matar dragões. Já em solo, ela tenta retirar a lança que o atingiu. Ao mesmo tempo, no topo da colina Tyrion vê seu irmão atacar sua rainha com toda a força, mesmo ignorando um dragão em sua frente. A qual não é a sua sorte quando o amigo Bronn pula e salva Jaime de ser queimado vivo. Os dois caem em um lago, e fica a dúvida: Poderá um deles sair com vida de lá. E se sair, serão poupados pelo exército que os cerca?

E qual será a reação de Cersei? E Os Outros, vão finalmente dar as caras?

Veremos tudo isso nas cenas dos próximos capítulos de Game Of Thrones.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *