Os banshees de inisherin

Amizade e solidão em jogo em “Os Banshees de Inisherin”

Indicado ao Oscar, Os Banshees de Inisherin estreia na quinta-feira, dia 2 de fevereiro, nos cinemas de todo o Brasil.

Os Banshees de Inisherin, mais novo filme do diretor Martin McDonagh é um filme sobre solidão, tristeza e rancor e como esses sentimentos são universais, mas ao mesmo tempo, fazem parte do imaginário sobre a essência da identidade irlandesa.

McDonagh que já venceu o Oscar por Três Anúncios para um Crime em 2017 nos traz uma premissa aparentemente simples, em uma fictícia ilha na bucólica Irlanda, onde uma amizade de anos entre dois homens é rompida, gerando uma série de eventos que culminam em uma guerra descontrolada entre dois solitários. Colm (Brendan Gleeson), um músico, acorda um dia e resolve não ser mais amigo de Pàdraic (Colin Farrell, em atuação espetacular), um homem simples, criador de gado e dedicado aos animais, à irmã Siobhan (Kerry Condon) e de sua forma ao próprio cotidiano da ilha que pouco muda ao longo dos dias.

O filme é situado nos anos 1920 e o contexto da guerra, apesar de não atingir a ilha, é mostrado como algo que está à espreita, sempre que os personagens ouvem ou enxergam os fogos do outro lado do continente. Outros personagens também dão vida a ilha como Siobhan, a irmã leitora de livros; Mrs McCormick (ou a velha bruxa, interpretada por Sheila Flitton) e o jovem Dominic (Barry Keoghan), o “louquinho” da ilha com sua história de violência familiar por conta do pai, um policial. 

Collin Farrell em Os Banshees de Inisherin
Brendan Gleeson e Colin Farrell entre a amizade e a guerra

Aos poucos a tensão vai crescendo, uma vez que a pífia explicação sobre a mudança de comportamento de Colm não convence Pàdraic, a ideia de que ele é um músico em busca de um legado e não tem tempo a desperdiçar com um homem simples e “chato”. O filme que começa com um humor ácido vai construindo uma teia de ações e reações que nos levam a pensar sobre a passagem do tempo e, junto dele, carregando dramaticidade às ações exageradas que são tomadas a partir do momento que Colm arranca um de seus dedos porque Pàdraic continuava a falar com ele, mesmo após ter sido avisado.

Margin McDonagh dirige Os Banshees de Inisherin
Martin McDonagh e Colin Farrell nos belíssimos cenários que compõem Os Banshees de Inisherin.

Os desdobramentos de tais ações acabam por afetar o frágil ecossistema dos habitantes da ilha e fazendo com que os presságios e superstições da personagem da Velha Bruxa ressoem na canção composta por Colm, intitulada “Os Banshees de Inisherin”. O Banshee é uma figura mítica da mitologia celta/irlandesa com seus lamentos/cânticos quando da morte de alguém.

Para além das atuações e da química entre Brendan Gleeson e Colin Farrell; destacamos as locações e os planos com a beleza dos lugares desertos contrastando com as tiradas ácidas e amargas que amarram a tessitura do tempo e da narrativa desse belo filme.

Veredito da Vigilia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *