Star Wars Day: o fenômeno Star Wars

Todo dia 4 de maio é marcante para os fãs de Star Wars. O Star Wars Day, a data reconhecida pelo principal bordão da série cinematográfica “Que a força esteja com você”, numa brincadeira com a sua língua original May the 4th (um quase May the force be with you), passou a ser muito celebrada. É o dia para rever filmes, livros, desenhos animados, quadrinhos e tudo que for relacionado à série criada por George Lucas.

O fenômeno Star Wars (Guerra nas Estrelas, para os mais velhinhos) ganhou proporções estratosféricas com o passar dos anos, culminando nos tempos atuais onde a mitologia ganhou um evento de celebração. A Star Wars Celebration, que em 2019 foi realizada em Chicago e lançou o primeiro trailer de Star Wars: A Ascensão Skywalker.

E para não deixar a data passar em branco, elencamos alguns dos tópicos que explicam o porquê Star Wars é uma saga tão querida em todo o mundo. É certo que precisaríamos de muito mais do que isso, mas como dizem por aí, não sabemos explicar, só sentir.

A clássica jornada do herói:

Luke Skywalker e Yoda
Luke Skywalker e seu mestre Jedi, Yoda!

Logo na origem em 1977, fomos introduzidos “Há muito tempo, em uma galáxia muito, muito distante…” e de lá pra cá conhecemos a família Skywalker e Luke, predestinado a dar equilíbrio para a Força. Vivendo em uma família pacata com seus tios, o órfão sai do deserto para salvar as galáxias e tornar-se um cavaleiro de Jedi. Mas no meio disso tudo, ele é levado a uma jornada de superação a cada filme. Além de um grande piloto e prodígio da tecnologia, ele entra em uma jornada de autoconhecimento e treinamento para utilizar a arma mais poderosa já criada: o sabre de luz. Soma-se a tudo isso o trauma familiar. Spoiler de uma vida: ele é filho de Darth Vader, principal arauto do mal e do Império.

A mitologia criada em Star Wars:

Luke e Anakin Skywalker
Pai e filho, duas faces da moeda, bem e mal!

Star Wars fala de muitas coisas e traz muitas metáforas. As mais alcançáveis são justamente a luta do bem contra o mal, a luz contra as sombras, a Aliança Rebelde contra o Império, que quer explorar e acabar com a galáxia a sua forma, pensando somente em armas de destruição em massa.

O equilíbrio da Força, os ensinamentos dos mestres Jedi e os personagens se enquadram e de várias formas. A clássica busca por um salvador que vá conduzir as galáxias para a prosperidade e paz alcança sub-tramas que envolvem alienígenas, diferentes raças de vida, droids, wookies e muitos outros são apresentados em um universo diferente de tudo que já se tinha visto.

Os personagens

Star Wars Day
Os personagens icônicos da trilogia original!

Com exceção de Jar Jar Binks (já pedimos desculpas por ele aparecer aqui) todos os personagens são marcantes a sua maneira. Luke (Mark Hamill) é o caminho da luz. Todas as tramas cercam sua família. Han Solo (Harrison Ford) é o rebelde canalha, o caçador de recompensas que acha sua missão maior ajudando a salvar as galáxias. A Princesa Leia (Carrie Fisher) é a encarnação do girlpower. Nascida em uma época avessa a personagens femininos fortes, ela marcou época com suas posições e ideias, além de colocar a mão na massa quando o negócio era atirar em alguns stormtroopers. Com a morte de Carrie Fischer, o misticismo de seu papel ficou ainda maior. De quebra, divertiu a todos com sua relação com Han Solo.

Chewbacca (Peter Mayhew, RIP 2019), o wookie forte e perito em armas. O braço direito de Han Solo. Ninguém entende o que ele diz, mas é difícil não compreendê-lo. Um personagem icônico em sua essência animal e selvagem. Os droids, a parte que nos liga a trama e suas consequências, sejam graves ou engraçadas.

E por fim os vilões. Cabe a Star Wars cravar o vilão mais icônico da história do cinema no mundo contemporâneo. É de Darth Vader as cenas mais marcantes e os dramas mais impactantes na luta que o leva até o lado negro da força.

O crescimento

Rey Skywalker Star Wars
Rey foi a protagonista da última trilogia Star Wars

Desde seu lançamento, Star Wars não parou. Mas George Lucas levou algumas portas na cara antes de aportar na Fox Studios, que encarou a proposta da ficção científica. O criador da saga queria contar uma história que as pessoas amassem ou odiassem. Então, em 1977, foi lançado Star Wars. Esse era o título original do capítulo IV, que depois veio a ter o subtítulo: Uma nova Esperança, afinal, Lucas não sabia ao certo se o filme teria uma continuação.

Depois, em 1980, veio o clássico dos clássicos: Star Wars V – O império contra-ataca, tido por muitos como o melhor filme de todas as trilogias. Três anos mais tarde o final da trilogia clássica, responsável por um dos momentos mais marcantes do cinema: Star Wars VI – O Retorno de Jedi.

Star Wars: O retorno

Star Wars Day: O fenômeno Star Wars
Os personagens icônicos da trilogia prequel de Star Wars

Quis a história (ou só o mercado mesmo) que o cânone de Star Wars fosse expandido. E a história do cinema, com recursos já avançados formou uma nova trilogia da família Skylwalker. Desta vez, os filmes foram a prequência da história que já havia sido contada. Então fomos finalmente apresentados, em 1999, ao menino Anakin Skywalker e sua jornada até o lado negro da força e sua transformação em Darth Vader. Stars Wars Episódio I – A ameaça fantasma introduziu uma nova fase na saga. Anakin depois passou pela adolescência e fase adulta em Star Wars Episódio II: O Ataque dos Clones (de 2002) e seu “desfecho” com Star Wars Episódio III – A Vingança dos Sith.

Passada uma nova lacuna de tempo, George Lucas fez com que a sua criação continuasse viva e influenciando ainda mais gerações. Ele vendeu os seus direitos sobre Star Wars (mas ainda é consultor criativo) para a Disney, que passou a produzir uma nova trilogia. Se antes tivemos uma “sequência” que contou o que aconteceu antes da trilogia original, agora seguir adiante faria mais sentido.

Então em 2015 tivemos um banho de nostalgia e saudosismo com Star Wars Episódio VII – O Despertar da Força. Um novo grupo, novos personagens e novas missões foram apresentadas, passando o bastão da geração antiga para nova! Agora, aguardamos ansiosamente a continuação dessa história entre bem e mal, Força, Alianças Rebeldes, Galáxias Distantes e lados de luz e sombras. De lá pra cá também tivemos Rogue One: Uma História Star Wars, Star Wars: Os Últimos Jedi, Solo: Uma História Star Wars e por fim Star Wars: A Ascensão Skywalker.

Com a Disney, também temos a garantia de Star Wars por muito tempo. É o que todo fã sempre quis.

Mas não é só isso. Esse universo cresce cada vez mais, depois da estreia de The Mandalorian, a primeira série em live-action derivada de Star Wars, teremos também:

Star Wars vai ganhar nova trilogia com Rian Johnson

The Rangers of the New Republic: série que está sendo desenvolvida por Jon Favreau e Dave Filoni, de The Mandalorian.

Ahsoka: a série da Jedi que deu as caras na segunda temporada de The Mandalorian, novamente interpretada por Rosario Dawnson.

Andor: A série spin-off de Rogue One: Uma História Star Wars, com a volta de Diego Luna ao papel de Cassian Andor. A produção está em andamento e deve chegar em 2022.

Obi-Wan Kenobi: a prometida série com Ewan McGregor no papel vivido na trilogia prequel e com o retorno surpreendente de Hayden Christensen, o próprio Darth Vader. A história vai se passar 10 anos depois de A Vingança dos Sith.

The Bad Batch: série animada que se passa logo após as guerras clônicas. Ela estreou neste dia 4 de maio de 2022, no Disney+.

Star Wars: Visions: animação com criadores japoneses transformando Star Wars em anime, no formato de curtas de antologia.

LANDO: Sim, o segundo piloto mais carismático das galáxias vai ganhar uma série própria. Até agora não confirmaram a volta de Donald Glover (que interpretou a versão mais jovem do personagem em Solo: Uma História Star Wars), apenas o showrunner Justin Simien.

The Acolyte: uma série mais política dentro do universo Star Wars. Ela vai se passar nos últimos dias da “Alta República”, 200 anos antes de “A Ameaça Fantasma”. A novidade será comandada pela criadora de Boneca Russa (Netflix), Leslye Headland.

Rogue Squadron: Um dos novos filmes da franquia Star Wars no cinema será dirigido por Patty Jenkins (Mulher- Maravilha) e vai se chamar Rogue Squadron.

Outro que vai colocar as mãos em um longa com o selo Star Wars é o diretor Taika Waititi, que já dirigiu alguns episódios de The Mandalorian. O projeto está em fase de roteirização.

E você, também é apaixonado pelo universo criado por George Lucas? Qual o filme que você mais gosta?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *