Série Betinho: No Fio da Navalha mergulha na trajetória do sociólogo Herbert de Souza

Herbert de Souza é um homem que sempre teve pressa. De agir, de ajudar, de transformar vidas, de viver. Um herói brasileiro conhecido por muitos, mas nem sempre reconhecido por todos. A partir de 1º de dezembro, a trajetória do sociólogo – de sua história pessoal ao amplo legado social que contribuiu para o país – ganha as telas do streaming da Globo com ‘Betinho: No Fio da Navalha’, série Original Globoplay protagonizada por Julio Andrade, que também integra o time de direção. A produção é criada por José Junior e tem direção geral de Lipe Binder. 

Em oito episódios, disponibilizados semanalmente: dois a cada sexta-feira, a obra dramatúrgica biográfica retrata sua luta por grandes causas sociais, em especial o combate à AIDS e à fome, e resgata momentos importantes da vida do homenageado entre os anos 1960 e 1990, intercalando imagens de diferentes fases de Betinho. Na adolescência, é o ator Antonio Haddad quem interpreta o mineiro de Bocaiúva.

Em seu caminho, o ativista enfrentou a AIDS, a ditadura militar, a hemofilia e tantos outros obstáculos pessoais, mas escolheu a fome da população como seu principal inimigo, fundando a Ação da Cidadania Contra a Fome, a Miséria e Pela Vida, a maior campanha de solidariedade do Brasil, que completa 30 anos em 2023. A organização também é reconhecida pelo Natal Sem Fome, um dos projetos parceiros do ‘Para Quem Doar’ (https://www.paraquemdoar.com.br), plataforma criada pela Globo em abril de 2020 para conectar pessoas com organizações de todas as regiões do país que trabalham para combater e amenizar diferentes impactos sociais na vida da população em situação de risco e vulnerabilidade. Mais informações no site. E não à toa, outra efeméride também marca a data em que a produção chega ao Globoplay: no dia 1º é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra a AIDS.   

“Eu tinha o Betinho como um herói, mas não me via perto desse personagem. Como sou movido a desafios, aceitei de primeira”, reflete Julio Andrade, protagonista e diretor da série, ao relembrar o início da produção. “O set foi extremamente colaborativo e afetuoso, além das cenas serem carregadas de emoção. Nunca era só uma cena, eram permeadas de histórias”, completa Julio. A sua preparação e caracterização, assinada por Martín Macías Trujillo, resultaram em uma impressionante semelhança entre o ator e Herbert de Souza.     

Depois do exílio político de oito anos no exterior, a luta de Betinho por justiça social foi ainda maior. E seu legado e representatividade serviram de inspiração para muitos movimentos sociais, incluindo o AfroReggae, projeto idealizado há três décadas por José Junior, criador da série: “Eu fui impactado por um homem que parecia um super-herói. Betinho tinha um corpo muito frágil e, ao mesmo tempo, uma espécie de armadura de um samurai. Dificilmente eu seria quem eu sou se eu não tivesse sido impactado pelo Betinho”, reflete.   

A série revela um lado pessoal pouco conhecido do ativista, a partir de uma trama familiar no centro da narrativa, costurada por eventos históricos, como a campanha das Diretas Já. “Quisemos abordar uma visão mais humana, mais íntima do Betinho, uma figura tão relevante da nossa história”, explica Lipe Binder, diretor geral da obra biográfica. “O Betinho teve um impacto imenso para a sociedade brasileira. Ao longo dos episódios, mostramos como as ações de um indivíduo podem influenciar positivamente uma sociedade. E acredito que essa característica seja comum entre ele, seus colegas e colaboradores, além de pessoas que ele inspirou”, exalta Alex Medeiros, que assina a redação final da série.   

Entre as locações, a trama passeia por lugares simbólicos da trajetória do homenageado, como as ruas da capital paulista e a igreja da Candelária, no Rio de Janeiro. A série contou ainda com a participação ativa da família de Betinho, em especial de Daniel Souza, seu filho, um dos consultores e produtor associado da obra. “A matéria prima dele, que sempre o moveu, acredito que seja essa: a indignação. Meu pai nasceu indignado e morreu indignado”, destaca Daniel. Na produção, é o ator Filipe Bragança quem revive a relação entre filho e pai ao interpretar Daniel.

A série traz ainda outros personagens que fizeram parte do convívio do sociólogo, como Dona Maria, mãe do protagonista, interpretada em diferentes fases por Silvia Buarque e Walderez de Barros. Já Ravel Andrade, encara uma inusitada irmandade dentro e fora de cena com Julio Andrade: irmãos na vida real, eles contracenam como os também irmãos Chico Mário e Betinho. Outro irmão de Herbert de Souza que ganha destaque na trama é Henfil, cartunista, quadrinista, jornalista e escritor brasileiro, personagem de Humberto Carrão. No campo afetivo, Leandra Leal é Irles Carvalho, primeira mulher do sociólogo e mãe de Daniel; e Julia Shimura é Maria Nakano, sua companheira até o fim da vida e mãe de seu segundo filho, Henrique.   

Outras figuras reais marcam presença na trama, como Atila Roque (Michel Gomes) e Carlos Afonso (Luiz Bertazzo), grandes parceiros de Betinho na luta pelos direitos humanos no IBASE, Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas fundado em 1981 pelo sociólogo e por Carlos e Marcos Arruda (Higor Campagnaro); Nádia Rebouças (Andréia Horta), publicitária e ativista social com relevante atuação ao lado de Betinho na luta contra a miséria; Terezinha Mendes (Sirlea Aleixo), amiga do homenageado e criadora do slogan “Quem Tem Fome, Tem Pressa”; e dois grandes ícones da cultura popular brasileira, Elis Regina (Elá Marinho) e Chico Buarque (Mouhamed Harfouch).   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *