O triste final de Girls, a série da HBO

É, os jovens adultos têm motivos para ficarem mais tristes essa semana. A jornada de Hannah (Lena Dunhan) e de sua turma chegou ao fim. Com isso, uma legião de fãs que se identificava com os temas do início da vida de “pagar boleto, comprar comida e não sobreviver tão bem aos porres” vai perder a série que mais falava sobre essa fase: Girls.

Depois de seis temporadas, a série da HBO, roteirizada, protagonizada e dirigida por Lena Dunhan encerrou com uma temporada em que podemos cravar: foi a pior de todas. E fique calmo, já vamos explicar o porquê. Vale lembrar que já elencamos aqui na Vigília seis motivos para assistir a série.

Quem acompanhava sabe que até o início da série, tudo parecia correr bem. Hannah finalmente começou a tomar um jeito na vida. Afinal, ela havia arrumado um emprego legal na escola e um namorado bacana, mas colocou tudo a perder achando que o diretor queria transar com ela e querendo fazer amizade com uma menina de 14 anos. Menos, Hannah, bem menos. Nessa nova temporada, ela começa como escritora e vai fazer um curso de surf para relatar a experiência. Papo (e micos) vão e vem, e ela vai para cama com o instrutor, um moço, que depois de um tempo, ela descobre que tem namorada. Não demora muito e ela descobre também que está grávida do rapaz. Enquanto Elijah (Andrew Rannells), o mala que mora com ela, vive correndo atrás dos boys e falando coisas agressivas para a sua “amiga”, Hannah vive num ambiente nada saudável para criar um bebê. Mesmo assim, ela resolve seguir em frente (lembrando que em Nova York o aborto é legal).

Em paralelo a isso, Marnie (Allisson Willians) está cada vez mais frustrada com a sua carreira de cantora e com o ex-marido drogado, agora apenas seu parceiro de palco. Vai morar com a mãe, tenta recomeçar. A brilhante menina da primeira temporada perde seu brilho e sua ambição. A mensagem que ela nos passa é: não corra atrás dos seus sonhos. Complicado. Gostaríamos de saber o motivo de Charlie (Christopher Abbott) ter sumido. “Shippávamos” muito esse casal.

Jessa (Jemima Kirke) corre atrás de um amor por Adam (Adam Driver) e resolve retratar o que mocinho sofreu gravando um filme. E é a partir do enredo desse filme que o nosso Kylo Ren descobre que gosta mesmo de Hannah. Tenta voltar para ela e, sem mais nem menos, desaparece. A tomada de cenas sugere que ele voltou com Jessa. Mas, sinceramente, a apaixonada e porra louca Jessa vai ficar com um cara que ama a sua amiga? E por que Hannah não aceita Adam de volta e topa criar com ele essa criança? A resposta da última pergunta daremos logo mais.

Shoshanna (Zosia Mamet) pode ganhar o troféu de escrota e sem noção da série. Nunca gostamos dela, mas nessa última temporada ela estava absurdamente insuportável. Primeiro, porque Ray (Alex Karpovsky) ficou com aquela menina que trabalhava com Shosh e não com ela? Afinal, Ray e Shosh tinham tudo em comum e sempre se gostaram muito. Talvez sejam coisas do amor, mas isso é uma série e queremos ver felicidade dos nossos ships (haha). E no final, ela ter feito uma festa de noivado e não ter convidado Hannah justificando que a amiga estava grávida e ia roubar a cena é uma das coisas mais ridículas de todas. Podíamos ter ficado sem essa.

Mas o que nos incomodou, de verdade, foi a imaturidade de Hannah. Depois de SEIS temporadas, ela termina exatamente como começou: imatura, infeliz e insegura. Sem contar que continua mimada e ingrata. Hannah pede ajuda financeira e emocional para todo mundo, mas quando alguém fala o que ela não gosta ela age como uma criança. Deixa um bebezinho pequeno em casa, chorando e sai caminhando pela cidade. Tem todo suporte de Marnie, que abdica da vida e de ser feliz, e manda a amiga embora. Inclusive, a mãe de Hannah fala uma das coisas mais legais de toda a série: “Esteja onde você possa ficar feliz, e é assim que você faz seus amigos felizes”. Achamos que a gravidez poderia ajudar Hannah a crescer e a amadurecer, mas não. Parece que ela vai ser uma criança para sempre. E talvez por isso ela não aceite Adam ao seu lado, porque ela é tão egoísta que no mundo dela, só cabe ela mesma.

É nesse momento que percebemos que talvez seja interessante essa série ter acabado. Depois de seis anos no ar, todos amadurecem nesse tempo, exceto a protagonista. Foi um final triste, e não memorável, para uma série que podia ter tudo para ser a série da geração. Uma pena, e por tudo isso, Girls já vai tarde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *