O Enfermeiro da Noite: uma simulação com excelentes atuações

Após um enfermeiro ser contratado, os casos de mortes misteriosamente começaram a aumentar em um hospital. Estreou na Netflix “O Enfermeiro da Noite”. Protagonizado por Eddie Redmayne e Jessica Chastain, o filme dirigido por Tobias Lindholm é baseado em uma história real que chocou os Estados Unidos.

Charles Cullen, vivido pelo talentoso Eddie Redmayne (Animais Fantásticos e Onde Habitam), na vida real ganhou o apelido de “O Anjo da Morte”. Cullen é um serial killer que pode ter matado até 400 pessoas. Porém, a polícia conseguiu rastrear somente 29 vítimas. O que chama atenção é que o enfermeiro nunca matou nenhum paciente diretamente. Suas mortes eram sempre indiretas e sem muita explicação. Contudo, ele parecia um ótimo enfermeiro e conseguia entrar com facilidade nos novos empregos.

Redmayne, mais uma vez, tem uma surpreende com sua atuação. Sua aparência frágil, sua forma de conduzir a atuação, criam quase uma empatia com Cullen. Algumas vezes, nos vemos até mesmo torcendo para que ele não seja o culpado, mesmo conhecendo a história real. Ao lado dele, está Amy, de Jessica Chastain (Cenas de um Casamento). A atriz, também excelente, é a colega de trabalho, amiga e companheira de turno que descobre a fraude e precisa lidar com tudo com muita frieza.

A escolha deste elenco foi, com toda certeza, muito acertada. Jessica Chastain e Eddie Redmayne são ótimos atores em tudo o que se propõem a fazer. Mais uma vez, eles surpreendem e entregam um trabalho de altíssimo nível! Podemos dizer que as atuações são o grande trunfo de O Enfermeiro da Noite.

Já o roteiro do longa tem algumas derrapadas, principalmente em seu ritmo. O resultado final é um bom filme, mas é impossível não achar que vários momentos deixam ele um tanto arrastado. A escolha da fotografia escura incomoda um pouco. Talvez tenha sido uma tentativa de deixar o filme datado à época, porém, essa ferramenta nos deixa cansados.

O Enfermeiro da Noite parece uma reconstituição daquelas que estamos acostumados a assistir na televisão, mas com atuações de excelente qualidade. Falta qualidade técnica, mas vale o play na Netflix.

Veredito da Vigilia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *