Missão: Impossível Acerto de Contas Parte 1

Missão: Impossível – Acerto de Contas Parte 1. É pra isso que se paga ingresso!

Tom Cruise, o maior astro da atualidade, volta para mais uma trama incrível em Missão: Impossível – Acerto de Contas Parte 1. Não perca as contas, é o sétimo filme da saga

O cinema é uma arte em processo de transição. Seu futuro é discutido a cada lançamento que não faz sucesso ou dinheiro nas bilheterias – pelo menos na bolha dos simpatizantes. Sendo assim, em um recorte atual, posso afirmar que Tom Cruise é o balizador da procurada equação dos estúdios entre público e crítica. Depois do arrasa-quarteirões que foi Top Gun: Maverick em 2022, ele agora mira algo parecido com Missão: Impossível – Acerto de Contas Parte Um (Mission: Impossible – Dead Reckoning Part One). Apostando em cenas de alto risco e dispensando dublês (desde os anos 90), o maior astro de Hollywood em atividade hoje em dia consegue, pelo menos na opinião deste humilde crítico e jornalista que vos escreve, repetir a glória alcançada com Missão: Impossível – Efeito Fallout, até então um dos melhores da saga inaugurada em 1996 por Brian De Palma. Fato. Cruise e o diretor Christopher McQuarrie repetem o casamento de trama internacional, ação, tensão, doses de humor e uma missão cheia de reviravoltas para prender o público na cadeira, arrancando suspiros em momentos que enchem a tela. Um prato cheio. Ou melhor, um balde cheio… de pipoca!

Embora o novo Missão: Impossível não apresente uma super novidade no quesito roteiro, temos o suficiente para saber que ele é a primeira parte de dois longas. Na linha do recente Homem-Aranha: Através do Aranhaverso, estamos diante da parte 1 de um filme. Apesar disso, ele é muito mais redondo do que a animação, que termina com um grande gancho para sua continuidade (ou cliffhanger). Aqui Tom Cruise, principal produtor do filme, e Christopher McQuarrie entregam uma história bem amarrada, sem deixar a nítida impressão de que alguma coisa ficou faltando. Ao subirem os créditos, você até vai querer mais, mas não sairá da sessão como se algo estivesse faltando. Mais um ponto a favor.

Na nova trama Ethan Hunt (Tom Cruise) e sua equipe da IMF precisam buscar uma chave (literalmente uma chave) que é a saída para acabar com uma entidade de Inteligência Artificial que se torna a maior arma tecnológica já feita. E por consequência, alvo de forças que querem dominar essa tecnologia. Em época de divisão e polêmicas com IA, Missão: Impossível traz a paranoia dessa quase ficção científica ao extremo. Ela serve de bengala para o gancho principal em um filme de intriga internacional e espionagem: cruzar o mundo em busca de mais informações e da própria chave, que é (com o perdão da redundância) a “chave” para dar fim a esta tal “entidade”.

Missão: Impossível Acerto de Contas Parte 1
Tom Cruise e Hayley Atwell formam uma grande dupla em Missão: Impossível 7

Cartas na mesa, ainda precisamos interligar Ethan com outros vilões e equipe. E isso é feito de forma magistral. Temos o retorno esperado de Simon Pegg e Ving Rhames como a dupla Benji e Luther, Vanessa Kirby como “A Viúva Branca”, Rebecca Ferguson como Ilse Faust e a estreia de Hayley Atwell (nossa eterna Agente Carter) como Grace. Se você é fã da moça, pode comemorar, ela está presente do início ao fim e fazendo jus ao seu papel, não ficando abaixo do nosso protagonista. Pelo contrário.

Missão: Impossível - Acerto de Contas Parte 1 e seus bastidores
Esai Morales, Tom Cruise e Christopher McQuarrie nos bastidores do filme

Apesar de suas 2 horas e 43 minutos, a sessão de Missão: Impossível Acerto de Contas Parte 1 é fluida e em nenhum momento fica cansativa. Pelo contrário, é uma onda de boas cenas de ação com efeitos práticos, atuações no tom e elenco pra lá de carismático. Tudo que se pede em uma sessão blockbuster de época de férias. A direção é acertada, com movimentos dinâmicos de câmera e as clássicas traquitanas já apresentadas pela franquia ao longo dos anos… está tudo jogando a favor da história. E se o filme estava se vendendo pela cena em que Tom Cruise pula de moto de um penhasco, ela não foi em vão. Vista em IMAX, ela é um deleite completo, dando até mesmo aquele frio na barriga. 

Pra usar um jargão de internet (ou da vida), “é pra isso que a gente paga ingresso”. E ano que vem tem mais!

Veredito da Vigilia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *