Honor Society da Paramount+

Honor Society é uma Sessão da Tarde como poucas

Tem filmes que não adianta. A gente bate o olho e já coloca um carimbo. No caso de Honor Society, é um daqueles que fica difícil não simpatizar. Ao terminar o filme foi inevitável pensar que a produção do Paramount+ é uma típica Sessão da Tarde. Daquelas comédias adolescentes que poucas conseguem ser, reunindo carisma, uma história pouco óbvia e diversão garantida. O longa original estreia na sexta-feira, dia 16 de setembro, no próprio streaming da Paramount.

Dando o protagonismo para Angourie Rice (você deve lembrar dela como a Betty Brandt da nova franquia Homem-Aranha, ou mesmo da excelente série Mare of Easttown), o longa conta a história de Honor, uma menina cheia de talento e planos. O maior dela é fugir o quanto antes do High School e da província onde mora para entrar em Harvard. Eu disse o maior? Minto, na verdade é sua única e verdadeira obsessão. Para isso, ela vai precisar da recomendação do diretor da escola, o Sr. Calvin (interpretado pelo nosso eterno McLovin, o ator Christopher Mintz-Plasse) e terá que superar dois alunos tão talentosos quanto ela. E por isso, o filme é um grande plano infalível (será) para que ela tenha todas as condições de chegar até a indicação.

honor society e as necessidades da juventude
HONOR SOCIETY: Angourie Rice, Kelcey Mawema e Avery Konrad.

Só o fato de reunir Angourie e McLovin (nunca vou conseguir chamá-lo pelo nome), o filme já tem um trunfo. Mas, mais do que isso, ele ainda traz Gaten Matarazzo, nosso querido Dustin de Stranger Things, e um ótimo elenco de apoio. É um típico filme de escola, com os dois pés nesta segunda década dos anos 2000. Tal qual um Ferris Bueller, Honor logo de cara quebra a quarta parede e nos situa dentro de seu universo. Com boas piadas, ótimas referências da cultura pop e um visual que consegue casar grafismos com seus cenários (algo parecido com o que vimos em Ms. Marvel), o filme dirigido pela israelense Oran Zegman parece feito sob-medida, contido em si mesmo e com boas viradas de roteiro, que é assinado por David A. Goodman (Uma Família da Pesada, The Orville, Futurama). Até mesmo um número musical faz com que a mistura toda funcione muito bem. 

Honor Society: Angourie Rice e Gaten Matarazzo
Em Honor Society Gaten Matarazzo consegue se desvencilhar um pouco do nosso querido Dustin

Acompanhar o plano maquiavélico de Honor é fluído e Angourie Rice provou que realmente estava merecendo um filme para chamar de seu. Aparentemente fadada ao sucesso deste plano, é quando ele sai de rota que o longa ganha força, envolvendo colegas, interesses amorosos surpreendentes e algumas lições interessantes para diferentes personagens. Situações clássicas de um bom filme adolescente com aquela lição de moral. Afinal, valorizar a amizade e dar voz ao que realmente somos, sem querer mascarar ou disfarçar nossas principais características, sempre será assunto no High School. É onde os jovens estão buscando se encontrar. Dos filmes da nova geração, coloco Honor Society como uma boa sessão da tarde, assim como fiz anos atrás com Moxie (da Netflix)

Veredito da Vigilia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *