5 vezes em que o cinema brasileiro foi longe demais

Aqui não iremos falar só sobre filmes ruins. Vamos falar sobre filmes bizarros. A trasheira não fica só por conta de Hollywood. O cinema brasileiro já foi longe demais e nos presenteou com coisas tão surreais que parecem mentira. Elencamos 5 momentos desses clássicos que você provavelmente não lembra e se lembra, se envergonha! Confira:

1- Cinderela Baiana (Conrado Sanchez, 1998)

Não podíamos começar essa lista de outra forma. Esse filme precisa ser o primeiro da lista. Afinal, nos anos 90 estávamos no auge da banda É o Tchan e tínhamos muitas pérolas relacionadas à esse tema. Mas Cinderela Bahiana é a maior de todas elas. Afinal, Carla Perez ganhou um filme próprio que não fazia o menor sentido, como essa cena, que virou meme até hoje, que começa com um diálogo sobre educação e termina numa coreografia de É o Tchan:

2. Super-Xuxa contra o baixo astral (Anna Penido, David Sonnenschein, 1988)

Xuxa já foi uma máquina de fazer dinheiro. Tudo que ela colocava o nome dela, rendia. Para multiplicar a fortuna, vimos obras não tão louváveis. Super-Xuxa contra o baixo astral com certeza é um desses. Afinal, o filme, que é uma cópia descarada de Labirinto, filme de David Bowie. Mas a nossa versão brasileira tínhamos a Xuxa e suas músicas alegres. O enredo é basicamente um sequestro à Xuxo, o cachorro da Xuxa e contava também com Xixa, uma lagarta cigana. Contudo, o filme levou mais de 3 milhões de pessoas aos cinemas. Confira um trecho desta pérola:

3. Fofão e a nave sem rumo (Adriano Stuart, 1989)

Sim, aquele personagem mais maluco da televisão ganhou seu próprio filme. Amado por alguns e temidos por outros, Fofão fazia sucesso na época e vendia muitos bonecos (que depois foram motivos de lendas urbanas). Neste filme, Fofão pegou duas crianças e entrou em uma nave para resolver um mistério. O auge são os efeitos especiais modernos para a época e os diálogos com crianças muito mal educadas. Assista:

4. Zé do caixão e qualquer uma de suas obras.

Ok, vocês podem argumentar que o Zé do Caixão fez algo que ninguém mais fez. E isso é verdade. Mas vamos lá, os filmes dele não eram no mínimo esquisitos? A trasheira brasileira tem pai e com certeza esse pai é Zé do Caixão. O universo próprio e o personagem criado por José Mojica Marins é tão inusitado que com certeza não vai ser replicado por ninguém na magnitude. Confira o trailer de Encarnação do Demônio, um dos seus filmes (mas tome cuidado se você for sensível):

5. Bacalhau (Adriano Stuart, 1976)

Talvez você nunca tenha ouvido falar deste filme. Mas Bacalhau, assinado por Adriano Stuart, o mesmo responsável por Fofão e a nave sem rumo, foi uma das maiores trasheiras que o Brasil já viu. O filme nasceu para ser uma paródia de Tubarão de Steven Spielberg. Confira o cartaz do filme:

E aí, concorda com a nossa lista? Que filme poderia estar aqui? Conta pra gente nos comentários!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *